Dica musical: Aaron Shust

Eu gosto de ouvir música para escrever. Vira e mexe me perco no youtube buscando inspirações. E dessa vez foi um achado incrível na música gospel: Aaron Shust! Quando encontrei esse cantor, estava em meio a uma conversa com a Suki e compartilhei de imediato esse cantor e ela também aprovou, e descobrimos que na música temos gostos muito parecidos. E em outras coisas também! Eu demorei para postar esse achado gospel mas é porque esqueci mesmo, mas hoje trago com toda a força essa super dica e espero que Ele toque o coração de cada um. Que através da música e de minhas palavras, eu possa cada dia mais trazer para vocês inspiração de vida, e vida maravilhosa. Aaron agora tem uma nova fã, euzinha! 

1- Rushing waters

2- Great is the Chorus

3- Watch over me

4- To God alone

5- The one

6- Satisfy

Gostaram de conhecer esse cantor? Querem mais inspirações lindas assim?

Acompanhe o blog também em:

O que a fotografia mudou em mim

Posso dizer que a arte veio cedo em minha vida. Aos nove anos, comecei a cantar no coral da igreja e me apaixonar pelo canto e pela música, e só nesse coral permaneci por oito anos. Aos doze, fiz aula de pintura de pano de prato e aula de dança. Aos quatorze descobri meu dom com a escrita e não parei mais de escrever. Aos quinze ganhei um show de calouros com uma amiga e logo depois tínhamos uma banda na escola. Aos dezesseis fiz meu primeiro blog e minha paixão pela escrita aumentou consideravelmente. O tempo foi passando e a arte foi, diga-se assim, caindo. Consegui manter o escrever e o cantar, e ás vezes dançava por aí como quem não queria nada sabe? 
Depois de passar por uma situação complicada aos vinte e um anos, precisava descobrir algo que fizesse meu coração voltar a ativa. Foi então que decidi comprar uma câmera compacta para ter com o que fotografar com os amigos, mas os amigos nem sempre queriam fotos. Depois da câmera guardada por meses, decidi fotografar por aí. Comecei por flores e coisas mais simples e foi simplesmente aí que começou essa nova paixão, e hoje consigo perceber a mudança incrível que sinto desde que comecei a fotografar. 

1- Mais sensibilidade com os detalhes
Antes tudo era grande. Aos poucos fui percebendo os detalhes em cada cena que fotografava e vejo que muita coisa mudou. Hoje, para cada novo clique, consigo vislumbrar até uma pequenina gota em uma folha. Isso para mim, além de estar mais atenta e agradecida ao Criador por tanta beleza e criatividade, é sinal de amadurecimento aqui dentro de mim. Sabe quando você enxerga um grão de areia meio a milhares de coisas? Me sinto assim. Mais leve!
2- Acreditar mais em mim
Por um bom tempo passei não acreditando que eu pudesse muito sabe? Já escrevia, mas o fato de não ter mais nada para me agradar a alma, me deixava triste. Eu queria tudo: pintar, desenhar, fotografar, dançar, cantar e mesmo tudo que envolvesse arte. Mas depois de dias tentando fotografar bem, percebo que meu esforço não foi em vão. Não tenho uma câmera profissional ainda, mas consigo ótimos cliques com minha compacta. Sei que hoje, nada é impossível desde que minha mente esteja aberta e meu coração amoroso para conseguir.
3- Melhoria dos posts
O blog é algo pessoal e antes eu sempre buscava imagens do we heart para ilustrar algum post ou até mesmo de alguma amiga blogueira. Tirando minhas próprias fotografias, percebi que o público tem aumentado e isso me deixa extremamente feliz. E outra: as pessoas não querem cópias, elas querem te ver pegar no pesado para trazer coisas boas e bonitas não é mesmo?
4- Aumento da criatividade
Desde quando comecei a fotografar, minha criatividade aumentou. Levo isso como uma consequência maravilhosa que sempre está me fazendo respirar leveza e arte. O que notei foi que estou mais aberta a coisas diferentes e inusitadas que antes nem pensava em fazer. Redes sociais como o we heart e o pinterest ajudam muito, mas se você não estiver com a mente receptiva de nada valerá se encher com fotografias de outras pessoas. O que vale mesmo, é conseguir interpretar uma simples flor de maneira intensa. Tão intensa que sua alma chora por dentro, de alegria. 
5- Mais simplicidade
Mais um ponto incrível que a fotografia trouxe para mim foi a simplicidade. Não que eu não fosse antes, mas hoje sou extremamente mais. Consigo perceber uma beleza em uma terra molhada pela chuva, por exemplo. Juntamente com meu estilo novo de vida, o minimalismo, a simplicidade aflorada pela fotografia só me trouxe ganhos e alegrias. 

Gostaram do post de hoje? Vocês também amam fotografar?


Acompanhe o blog também em:

Fotos da infância para divertir


Preciso admitir que está difícil ter ânimo para postar. Os dias passaram tão depressa que no domingo de repente me dei conta que era dia das crianças e eu nada havia preparado para o blog. Resolvi, juntamente com a Suki, fazer um post com minhas fotinhas de quando era criança. Nasci em 24 de outubro de 1991 e olha só, esse mês é meu aniversário (veja minha listinha de níver). Lembro-me que algumas vezes eu ganhava um presente só e outras vezes eram dois presentes. Mas vamos ás fotos mais que fofas?


Muitas coisas me marcaram na infância, mas nada fala mais alto como as idas ao clube, rios e cachoeiras. Eu era 'foguinho de água', como diziam. Não podia ver que queria nadar e ficar lá mesmo, torrando no sol. E claro, sempre com as mesmas amigas, que hoje continuam sendo minhas amigas. Lembro-me de amar andar de bike, brincar com as bonecas de casinha... tantas lembranças lindas que jamais se apagarão!



É maravilhoso relembrar a infância não é mesmo? Gostaram das fotos?


Acompanhe o blog também em:

Lista especial de Aniversário

Há um tempo atrás, adotei uma tabela feita pelo word mesmo, para anotar todas as coisas que quero comprar. É uma listinha um pouco grande, mas dividi ela em três categorias: prioridade, mediana e itens sem pressa. E está dando super certo. Para minha alegria, meu aniversário é nesse mês, dia 24 para ser mais precisa. Essa é minha primeira listinha aqui para o blog e coloquei os itens que mais desejo no momento dividindo-os em itens mais caros e os mais baratos.

Itens mais caros:



1- Tripé  2- Câmera Profissional  3- Escrivaninha  4- Adipômetro

Itens mais baratos:


8- Cofre 'máquina fotográfica'               9- Caneca de coração       10- Caneca da Minnie
11- Globo de neve                                     12- Almofada 'amor'         13- Torre Eiffel (grande)

O que acharam da minha listinha?

Acompanhe o blog também em:

Resenha: Elos no horizonte

Título: Elos no horizonte/ Autor: Alexandre Lúcio Fernandes/ Editora: Penalux/ Páginas: 133 / Classificação: 4/5
Para mim, não é novidade a escrita do Alê. Acompanho o blog Elos no Horizonte dele há uns quatro anos, mais ou menos. E desde um tempo temos contato e sou muito feliz de tê-lo como amigo, e olha só, um amigo escritor!! Pensei um bocado antes de escrever uma resenha que fizesse jus ao livro. Adivinhem como ele abre o livro? Com um trecho de Paulo Leminski.. Impossível não amar.
Este livro é composto de contos e crônicas e o foco delas é o que sentimos: paixões, alegrias, amores, tristezas, ódio... Coisas que precisamos jogar para fora e muitas vezes não entendemos. A escrita do Alê é leve, doce e apaixonante.
"Detalhes são canções sem composições, caminhos sem rumo definido, quadros sem estarem pintados. É a beleza em si só, não representada." pág 30
"Encantos são assim, invisíveis aos olhos, mas sensíveis, unicamente, aos corações." pág 36 
A cada nova crônica ia me identificando cada vez mais com seus pensamentos e muitas vezes me peguei pensativa. Sabe aquele livro que te faz refletir sobre sua vida e ações? Foi assim para mim. E por esse motivo foi que não consegui terminá-lo rápido, pois não era todo dia que queria levar uns 'tapas na cara' e ficar absorta em meus pensamentos.
"Peco por fazer, mas não peco por não agir. Arrependo-me apenas do que não fiz. Faço de tudo que se foi uma escada para alcançar vitórias. Porque o que se foi nunca será um fardo, nem uma dor, mas uma porta." pág 54
 "Sou apenas um humano em busca de entender as razões de ser o que sou; as nuances envoltas á grandeza que acolhe a minha frágil existência e o meu modo especial de ser e sentir." pág 63
A pegada do livro é poética, mesmo não tendo poesias. A escrita do Alê continua tão cativante e bonita e é isso que faz o livro valer mesmo. Pelo livro ser apenas e crônicas, sem uma história em si, não há muito o que falar. Mas se você quiser suspirar, deliciar-se e encontrar quotes maravilhosos, esse é o livro certo.

Gostaram da resenha? Já conheciam o livro?

Acompanhe o blog também em:

22 anos, Campo Grande/MS, Nutricionista, Cristã, apaixonada pela escrita e por livros, fotografia, amante da arte em si. Gosto de leveza, amor, simplicidade, rock in roll, chocolate, listas e organização, amo animais, fofurices e itens de papelaria. Compartilho aqui minha vida, tudo o que me faz feliz e tudo aquilo que me inspira a viver.

 
Chá de Calmila © Todos os direitos reservados. Ilustração por Malena Flores :: voltar para o topo